segunda-feira, 15 de junho de 2009

83%

 

83% foi o aumento do tempo que os americanos passaram em sites de redes sociais no passado mês de Abril quando comparado com o mês correspondente do ano anterior.

Interrogo-me qual a razão de um aumento tão drástico. Desconheço o que se terá passado nos meses anteriores e posteriores. Posso imaginar que a tal crise tenha contribuído notoriamente para tal. Falta de dinheiro obrigou-os a sair menos de casa e, assim, procurar soluções alternativas para se distrairem. Fico curioso em saber se tal fenómeno se passará igualmente na Europa e, mais particularemente, em Portugal.

Uma coisa é verdade e em regra: o comportamento da sociedade americana tem-se reflectido, com uns anos de décalage, na Europa e resto de mundo. As relações que se vão criando com origem na net têm vindo a aumentar drasticamente, fruto de um dia-a-dia cada vez mais exigente em que pouco tempo livre nos deixa para, depois do trabalho, termos tempo para o lazer e, implicitamente, criar novas amizades pelo método tradicional, ou seja, olhos-nos-olhos.

Em particular e nosso país, existe ainda uma carga fortemente negativa, por parte de terceiros, sobre as relações iniciadas através da net. Uma carga que está relacionada com questões de segurança e, quiçá, com uma imagem de incapacidade de estabelecer contactos pelo via a que estávamos habituados, o chamado mundo real (como se a net fosse habitada por fantasmas, mas ok).

Por mim, nunca tive qualquer tipo de problema em criar amizades pela net. Considero-a, aliás, como um meio igual a tantos outros.  É preciso cuidado? Sim, é verdade. Mas não é muito diferente do mundo dito real. Há tempos escrevi sobre este tema – Amizades herdadas e escolhidas – e, de então (23 Julho 2007) para cá, apenas tenho confirmado, cada vez mais, a ideia que tinha.

 

11 comentários:

Casal do Arrocha disse...

Concordo plenamente querido!
Até parece que fantasmas é que usam a net!
rs rs rs
Bjs e volte sempre!

Sarah disse...

Comungo da tua opinião sobre amizades na net ou fora dela. Os cuidados a ter, ao fim e ao cabo, são mais ou menos os mesmos. Já fiz boas amizades, que se mantêm, através da net e não são amigos "diferentes" por isso... E as desilusões surgem tanto ou mais com pessoas que conheci olhos-nos-olhos... Acho que o importante é encontrar o equilíbrio entre a net e o dito mundo real ;)
E, sim, a "Garganta" da Ana Carolina faz mesmo mossa... :)
Beijos doces

Bernardo Lupi disse...

Acho apenas que o pessoal devia era sair mais de casa e conviver mais e deixar-se mais de teclados...

Chica Francisca disse...

Palmas para o Bernardo Lupi! Só por isso já gostava de te conhecer. É isso mesmo. Porque acho que viver é as pessoas verem-se, gostarem-se, desiludirem-se, não se desiludirem, demorarem tempo, filtrarem... enfim, tudo o que faz parte do conhecimento e que ultimamente está totalmente enviesado com esta porcaria que é o conhecimento pela net. A sério, sou totalmente descrente. Acho que as pessoas se encontram pontualmente em determinados pontos da vida por aqui, mas poucas ou nenhumas são as pessoas que gostam muito de se conhecer aqui que não têm algum vício de se conhecer por aqui. Então, conhecem por conhecer, à laia de vício, e depois passam a outro e não ao mesmo, em vez de investirem em cada pessoa que conhecem. Não gosto, pronto, e lamento muitíssimo que toda esta gente que se encontra por aqui não vá para uma esplanada ler livros ou simplesmente observar os outros, estabelecendo conhecimentos por empatias e tentativas erro como são aqui, mas onde se faz uma abordagem humana e não técnica ou tecnológica. Desculpem o comentário monstruoso.

Stargazer disse...

Dois dos meus melhores amigos conheci-os na net há 8 e 10 anos atrás respectivamente.

A melhor cama da minha vida conheci-a na net.

O que "está para vir" conheci via blog na net.

Não poderia concordar mais contigo Shelyak. O segredo está em conjugar as duas realidades e saber distingui-las.

Beber e fumar também são vícios.

Beijos

Stargazer

doiSabores disse...

Acho que se pode cohecer e fazer amigos pela net. Mas o virtual acaba sempre por passar para o real.
O que é preciso é viverem menos a vida virtual e mais a vida real...Há quem se esqueça disso...
Beijos saborosos

t3resopolis disse...

mas não faz qq sentido.. posso encontrar um caça baús na noite.. posso encontrar um psicopata no banco do jardim.. é perfeitamente uma atitude pidesca, essa de hostilizar a ideia de que na Net... BUUUUUUUUuuuuu
"vais no carro dele"? não ... vou no meu atrás.. economizem-me.
cuidados? os mesmos que tenho no meu dia a dia.. that's all

conheci gente lindíssima num mundo dito virtual, apanhei vários filhos da .... olhando-lhes nos olhos.

that's life !

azarinho e temos pena.. quem tem medo arranja um cheira rodas !

MARIA MERCEDES disse...

Eu conheci-te na Net, logo não és real! Andei todo este tempo enganada! Devias ter vergonha!!!!

beijinho cheio de saudades (reais)

Maria

Chica Francisca disse...

Stargazer
Beber e fumar são vícios, certo. Mas o vício de conhecer pessoas, de conhecer e deitar fora e voltar e conhecer e deitar fora pode prejudicar a saúde "mental" de quem não domina o processo. É a minha opinião.

Anónimo disse...

a "net" q.b. como o sal.... para trabalhar, para não trabalhar, para fazer saúde mental, para estragar a saúde mental.., etc.... as pessoas??? na net e fora da net... para serem aceites e respeitadas na sua identidade como pessoas...

ego virtual da marialterego

Anónimo disse...

P.S. :(... isto do post sem musica é assim alguma coisa tipo virtual????

ego auditivo da marialterego